Demanda por eventos cresce e valores sobem 30%

A liberação de eventos tem aumentado a demanda por este tipo de serviço em Alagoas. Além do crescimento da procura, os preços também têm sofrido elevação. A reportagem da Tribuna Independente ouviu consumidores que buscam fechar a contratação de espaços para a realização de festas. Eles relatam aumentos de até 30% e as mudanças que ocorreram desde o início da pandemia.

Há sete meses em busca de um espaço para a realização de seu casamento, a recepcionista Rafaela Almeida conta que precisou procurar bastante até encontrar um local adequado às necessidades e que coubesse no orçamento.

“Passei sete meses procurando. Graças a Deus, nós conseguimos. Fechamos para o fim do ano. Mas foram muitas dificuldades porque têm muitos casamentos marcados. Outra coisa que dificultou foi o valor. Com a pandemia as coisas aumentaram bastante. Locais que antes cobravam R$ 6 mil, hoje custam R$ 9 mil e essa questão financeira pesa bastante”, detalha.

Quem também encontrou dificuldades para achar um espaço para eventos e serviços relacionados foi Andreia Melo. Ela está com o aniversário da filha marcado, mas conta que teve dificuldades para fechar a data desejada.

“Tudo muito caro ou indisponível. Acabei não planejando com tanta antecedência e tive bastante dificuldade. O espaço eu consegui encontrar, mas os demais serviços foi bem complicado. Além dos valores que estão bem acima. Não sei te dizer quais motivos, mas está bem difícil”, diz.

Agendas de festas adiadas ainda são cumpridas

Maria José Oliveira é proprietária de um salão de festas em Maceió e conta que ainda está realizando atendimento de festas adiadas devido às restrições sanitárias impostas pela pandemia de Covid-19.

“Tenho duas festas para terminar de cumprir. Como está chegando o inverno, a procura por festas já diminui por conta das chuvas. A procura por festas novas ainda está em baixa. Eu, por exemplo, ainda estou cumprindo agenda de festas adiadas do ano passado e assim acho que como eu tem muita gente de salão passando pela mesma situação”, explica.

Segundo ela, a demanda tem crescido apesar do período não ser tradicionalmente propício a festas. “Com certeza, tem muita gente louca por festa”, afirma.

Outra situação que vem ocorrendo, segundo ela, é o repasse dos aumentos de insumos para os clientes. “Isso é problema para lidar com os clientes. Alguns têm consciência e outros tão nem aí, acham que já pagou e que a festa tem que acontecer”, explica.

Mesmo com a retomada, os espaços ainda passam por recuperação. Ainda não foi possível retomar o patamar de antes da pandemia.

“Esse ano a maior festa que vou fazer é amanhã para 160 pessoas. Daí vou ter ideia se vai comparecer todo mundo, como é uma festa de 60 anos que já é 62 por conta da pandemia”, acrescenta.

Publicidade