Alagoas está de prontidão para possível chegada da hepatite misteriosa

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), por meio da assessoria de comunicação, afirmou que a Vigilância Epidemiológica de Alagoas já se encontra de prontidão para detectar e notificar possíveis ocorrências da nova hepatite misteriosa, que vem preocupando o mundo e já possui dezesseis casos suspeitos sob investigação, no Brasil. Um deles, inclusive, no vizinho Estado de Pernambuco, na cidade de Toritama.

A médica infectologista Sarah Dominique disse que a doença vem sendo diagnosticada no mundo, principalmente em crianças, mas também tem atingido adultos. A hepatite transinfecciosa é provocada por infecções não originárias no fígado, diferentemente das hepatites provocadas pelos vírus A, B e C, por isso chamada de misteriosa.

Segundo a infectologista, algumas literaturas médicas relatam que a doença pode ser motivada pela infecção prévia do SARS-CoV-2, vírus da Cóvid-19. “Qualquer infecção viral pode complicar com acometimento hepático”, afirmou a médica.

Conforme Sarah Dominique, a única forma de evitar esse tipo de hepatite é a prevenção contra a Covid-19 e os demais vírus causadores de doenças infecciosas, que podem desencadear a doença hepática. “Provavelmente, a infecção decorre do SARS-Cov, mas também existem casos com a presença de adenovírus associado, portanto, a vacinação contra os vírus A e B da hepatite não impede esse tipo de casos, que vêm ocorrendo”, explicou.

Entretanto, a médica disse que, “apesar de existirem casos da hepatite transinfecciosa associados à presença de adenovírus, esse tipo de vírus são benignos e até hoje só causaram hepatite grave em pessoas imunossuprimidas”, ressaltou Sarah Dominique.

Febre, dores abdominais, diarreia, vômito e náuseas associados a cor da pele e olhos amarelados são alguns sintomas que podem levar a suspeita da doença e merecem atenção de pais e profissionais da saúde. O problema vem preocupando a área médica, pois 10% dos casos ocorridos em países como Estados Unidos e Inglaterra evoluíram para uma insuficiência do fígado e a necessidade de transplante do órgão.

BRASIL

O Ministério da Saúde vem monitorando dezesseis casos suspeitos da hepatite aguda grave em crianças, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Santa Catarina e Pernambuco. No entanto, a causa do problema ainda é uma incógnita. A orientação do Ministério é que os profissionais da área notifiquem imediatamente qualquer caso suspeito.

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos, cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, como forma de se proteger contra a doença, já que também são maneiras de evitar a transmissão de adenovírus, apontado como uma das possíveis causas da hepatite misteriosa.

Publicidade