Novas denúncias apontam conflito de interesse e nepotismo na OCB-AL

Em meio a um processo de intervenção judicial que suspendeu as eleições para a presidência da OCB-AL (Organização dos Sindicatos e Cooperativas Brasileiras do Estado de Alagoas ) devido a proposital não regularização de cooperativas junto à entidade para que pudessem participar ativamente do pleito, novas denúncias contra a direção da OCB-AL vieram a tona esta semana.

Jornal de Alagoas apurou que a OCB-AL contratou empresas sem licitação para prestação de serviços à entidade, cujos proprietários são contratados ou fazem parte do quadro de prestadores de serviço da mesma.

É o caso da empresa TLN Consultoria, contratada em janeiro deste ano para “dar aos participantes conhecimentos sobre assembleia geral em uma cooperativa, os diversos instrumentos envolvidos e as disposições indispensáveis ao seu funcionamento, habilitando-os a realizar e bem participar das assembleias em suas cooperativas”, com dispensa de licitação no valor de R$ 6000,00.

A empresa é de propriedade de Tânia Rocha Pimentel, porém, quem atende pelos contatos da empresa é seu filho Líbio Rocha. Líbio, por sua vez é 1º suplente do assessor jurídico da OCB/SESCOOP em Alagoas, João Carlos da Rocha Ramiro Basto.

Nepotismo

Em outras denúncias, a OCB-AL é acusada de praticar nepotismo, contratando também sem licitação os serviços de Lucas Carloman da Silva, com o objetivo de “conhecer a cadeia alimentar e seus benefícios”. O valor deste contrato foi de R$15000,00. Lucas é cunhado do gerente da OCB-AL, João André Santos.

Questionada pelo Jornal de Alagoas a respeito das denúncias, a OCB-AL não se pronunciou até o fechamento desta matéria. O espaço está aberto para uma eventual resposta. 

Publicidade