Escola Técnica de Artes da Ufal tem projeto aprovado com ações para jovens e adultos

A Escola Técnica de Artes (ETA) da Ufal teve um projeto selecionado pelo Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB), com ações destinadas para o público da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O resultado foi divulgado na última sexta-feira (13), neste endereço e, além da ETA Ufal, institutos federais e escolas técnicas vinculadas a universidades federais também tiveram propostas aprovadas.

Com foco no potencial turístico de Alagoas, o projeto selecionado da ETA ofertará cursos noturnos de Técnico em Agenciamento de Viagens e Técnico em Eventos. Cada curso com 150 vagas. No total, serão 300 alunos assistidos. Poderão participar jovens e adultos, que estejam cursando o ensino médio na modalidade EJA, das cidades de Porto Calvo, Maceió, Penedo e região.

A expectativa é iniciar a oferta dos cursos até 30 de outubro de 2022. Haverá abertura de edital, inscrição e divulgação por meio do site da Copeve.

A ação aprovada busca “promover a elevação da escolaridade de jovens, adultos e idosos, articulada à educação profissional, através de uma proposta que valoriza a cultura local e a nossa vocação para a indústria de turismo e eventos”, explica o administrador da ETA, Kleber Santos.

Uma equipe de gestão e articulação da Escola Técnica de Artes, formada pelo técnico em assuntos educacionais, Thiago Nascimento; o assistente em administração, Fernando Tenório; e o administrador Kleber Santos, foi responsável por elaborar e submeter a proposta. A equipe foi criada pela gestão do professor David Farias com o objetivo de analisar e dar suporte à diretoria da ETA. “A equipe me submeteu a proposta e verificamos que se tratava de oportunidade de beneficiar a sociedade alagoana”, afirma o diretor.

De acordo com o Edital nº 17/2022, que rege o chamamento público dos projetos destinados à oferta da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Programa EJA Integrada – EPT, as propostas selecionadas terão vigência máxima de 30 meses.

“Vale lembrar que EJA é uma modalidade de ensino destinada ao público que não completou, abandonou ou não teve acesso à educação formal na idade apropriada. Este significado do programa justifica o quanto especial e potente é a oferta deste conhecimento por nossa Ufal para estes estudantes”, ressalta o professor David Farias.

Publicidade