Estudantes querem desvincular do Enem seleção para Uncisal

Estudantes alagoanos estão se mobilizando, inclusive com um abaixo-assinado na internet, contra o método de seleção adotado pela Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal), que desde 2020 usa o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como forma de entrada na universidade. Segundo os estudantes, essa forma de seleção prejudica os alunos alagoanos, que têm que concorrer com estudantes de outras regiões do Brasil.

Com o abaixo-assinado, eles pretendem acionar o Ministério Público do Estado de Alagoas (MP-AL) em busca da volta do vestibular próprio para a universidade. O último foi realizado em 2019.

Walder Nunes, professor de um curso preparatório para vestibulares, disse que o último vestibular independente realizado pela Uncisal foi em 2019. “A alteração na forma de seleção começou em 2020, tendo em vistas a pandemia de Covid-19. No entanto, a situação voltou a normalidade e a Uncisal continua a selecionar os alunos por meio do Enem, prejudicando os estudantes alagoanos, pois sabemos que é histórico, não é de agora que regiões como o Sul e Sudeste do País têm um nível educacional muito maior que o da nossa região”, afirmou o professor, que disse abraçar a causa dos estudantes.

Além do vestibular próprio, os alunos também estão pleiteando um crédito maior na pontuação dos vestibulandos alagoanos. Andreza Andrade é estudante e disse está se sentindo bastante prejudicada com a decisão da Uncisal. “A gente não pode calar diante da situação. A faculdade é paga com impostos dos alagoanos, e assim o nosso sonho fica cada vez mais distante. Os estudantes que vêm de outros estados acabam retornando para suas origens. E nós só perdemos com isso. Nós estudantes e a sociedade que ficamos sem os profissionais”, ressaltou Andreza.

Andreza disse ainda, que muitos estudantes estão ficando sem a oportunidade de acessar a faculdade estadual, e por isso, têm se endividado para conseguir entrar em uma faculdade particular. “Tem estudante hipotecando a residência dos pais e fazendo débitos para pagar uma faculdade”, lamentou Andreza.

Processo seletivo foi definido pelo Conselho Superior

A assessoria de comunicação da Uncisal disse que o processo de seleção foi aprovado pelo Conselho Superior Universitário, composto por estudantes, professores e servidores da universidade, e que a deliberação de utilizar o Enem como forma de entrada na Uncisal é válida para este ano de 2022, podendo ser modificada no próximo ano.

O Enem foi criado em 1998 para avaliar o desempenho dos estudantes no ensino médio e tornou-se a maior porta de entrada para o ensino superior público e particular do Brasil. As notas do exame são aceitas por todas as universidades, centros e institutos federais de educação, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que também oferece vagas em algumas universidades estaduais.

Nas primeiras edições, o Enem servia somente como verificador do desempenho dos estudantes e as notas não eram utilizadas para ingresso no ensino superior. A intenção do Ministério da Educação (MEC) era avaliar a educação no país.

Em 1998, 157 mil estudantes se inscreveram para o Enem, no entanto, pouco mais de 115 mil compareceram às provas. Número bem inferior aos milhões de estudantes que participam atualmente do exame. 

Publicidade