Porto de Pedras: veja as praias mais atrativas do município do Litoral Norte

Porto de Pedras, nosso sexto destino da alta temporada dentro do projeto Tribuna Verão, é um município que, de vida simples, se transformou, nos últimos anos, como um dos principais destinos turísticos do Brasil, quando começou a ganhar projeção através do Santuário do Peixe-Boi, localizado no rio Tatuamunha e alguns anos atrás com a elevação da praia do Patacho em destino turístico internacional.

Inclusive, a praia do Patacho, primeira praia alagoana a conseguir o cobiçado Selo Bandeira Azul de praia sustentável, além de estar sempre presente na lista das praias mais bonitas do Brasil, agora tem mais um excelente motivo para comemorar. Com areias claras, águas transparentes e coqueiros ao fundo, Patacho é perfeita para um dia sossegado curtindo a brisa do mar. Na maré baixa, por exemplo, o mar seca e forma um areal com piscinas em volta.

Já o Santuário do Peixe Boi Marinho, que se transformou nos últimos anos na principal atração turística de Porto de Pedras, levando, por dia, 70 pessoas a fazer o passeio pelas tranquilas águas do rio Tatuamunha, é um projeto de preservação localizado em um trecho do rio, no povoado de mesmo nome. Além de se tratar de um dos mais importantes projetos de proteção do país, já que a espécie está ameaçada de extinção, restando apenas cerca de 500 exemplares que vivem em liberdade, se transformou em um projeto de sustentação de dezenas de famílias.

O passeio é uma contemplação do rio e o manguezal preservado de Tatuamunha, com sua flora e fauna local. O visitante é acompanhado por um condutor credenciado durante todo o passeio. Começa com uma pequena caminhada pelo povoado até chegar à ponte sobre o rio e manguezal. Após a travessia da ponte, onde já se pode contemplar a beleza e riqueza da biodiversidade local, embarca-se numa jangada simples, conduzida com varas por dois remadores. Segue-se por um passeio tranquilo com algumas paradas no leito ou nas camboas do rio, além de uma parada para observar o recinto de readaptação dos peixes-boi e, com sorte, para contemplar os animais livres que podem ser encontrados no percurso.

O Peixe Boi é um herbívoro e tem esse nome pelo fato de comer o capim agulha, que se encontra em algumas áreas entre o rio e o mar. Para sobreviver, o peixe-boi precisa ir ao mar comer e depois voltar para as fontes de água doce para matar sua sede. É um mamífero ameaçado de extinção, de temperamento dócil e extrovertido, podendo chegar a 800 quilos e viver por até 60 anos. A ameaça de extinção faz com que essa região alagoana ocupe lugar de extrema importância para a proteção desse animal.

Mas embora ameaçados, é possível vê-los ao longo do leito do rio, que é uma espécie de berçário para esses mamíferos e, sobretudo, nas praias próximas. No santuário quase sempre se pode encontrar algum filhote em cativeiro, sendo alimentado diariamente por tratadores. Depois de nove meses de adaptação, ele é solto na natureza, mas continua monitorado pelo projeto.

Publicidade