Mais de 1,7 mil pessoas foram vítimas de acidente de moto em Alagoas

Mais de 1,7 mil pessoas deram entrada no Hospital de Emergência do Agreste (HEA), em Arapiraca, e no Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, vítimas de acidente de moto nos dois primeiros meses de 2024. Só nessa quinta-feira, 14, dois acidentes com motocicletas foram registrados, resultando na morte de duas pessoas.

Um dos casos foi registrado no período da manhã, na Rua Doutor Milton Hênio Netto de Gouveia, no bairro Antares, em Maceió. Um motociclista identificado como Everton de Lima Silva, de 33 anos, morreu após ser atropelado por um caminhão. 

O condutor teria caído da moto e se desequilibrado, sendo atropelado pelo veículo maior. O corpo foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML).

Ana Buarque, especialista de trânsito do Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran/AL), diz que o excesso de velocidade vem contribuindo para os sinistros no Estado.

O excesso de velocidade tem sido a causa da maioria dos sinistros envolvendo motocicletas e demais veículos. Pedimos aos motociclistas, no entanto, que planejem a sua saída, vejam qual o percurso melhor para que tenham a segurança da viagem”, Ana Buarque – Especialista de trânsito do Detran/AL.

“Observo, como profissional, que o excesso de velocidade, o desrespeito às regras de circulação e conduta, o avanço do semáforo, manobras proibidas e perigosas têm sido as causas desses sinistros no trânsito”, completa.

Ela também alerta os pontos cegos no trânsito. “A moto é um veículo de menor porte e, por isso, se torna mais ágil. O motociclista, por sua vez, acredita que as manobras imprudentes que vem a praticar vão dar certo; porém, ele não pode trabalhar com achismo. O ponto cego é um perigo e, também, uma das maiores causas de acidente”, explicou.

Publicidade