Projeto gerenciado pela Ufal busca reaproveitar resíduos de demolição do Pinheiro

Com o objetivo de analisar a viabilidade do reaproveitamento dos resíduos de demolição das edificações no bairro do Pinheiro, a Universidade Federal de Alagoas (Ufal), com o apoio da Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes), está desenvolvendo o projeto Viabilidade de Aproveitamento dos Rejeitos de Demolição.

De acordo com a coordenadora do projeto, a professora e engenheira civil Karoline Moraes, a identificação de onde e como utilizar os resíduos é um ganho ambiental importante, pois evita o descarte irregular e reduz o consumo de recursos naturais, que são substituídos pelos materiais reciclados.

“Além disso, poderão ser produzidos elementos para serem utilizados em edificações, atividades de urbanização e drenagem, em camadas de pavimento, e em situações onde é necessária a remoção de poluentes, contribuindo efetivamente com algumas necessidades importantes da sociedade”, completa.

A Fundepes realiza o gerenciamento administrativo e financeiro do projeto, financiado pela Braskem, e realoca os recursos necessários para a compra dos materiais e equipamentos usados nas atividades de pesquisa. Também faz o acompanhamento dos recursos humanos envolvidos no projeto, por meio das contratações de pessoal e gerenciamento das bolsas.

O projeto está dividido em algumas sublinhas: produção de misturas cimentícias para materiais e elementos construtivos, como argamassas e concretos, para fins de urbanização, saneamento básico e moradias; uso em camadas de sub-base ou reforço do subleito, em substituição aos materiais convencionalmente utilizados, com enfoque em vias de circulação; produção e caracterização de materiais adsorventes para a remoção de poluentes emergentes. Procuram, ademais, mensurar indicadores referentes à relação da sociedade com o meio ambiente de modo a subsidiar a tomada de decisão.

No total, participam dez professores da Ufal das Unidades Acadêmicas Centro de Tecnologia (CTEC) e Instituto de Física (IF), campus Maceió, e da Unidade Acadêmica de Penedo, campus Arapiraca, e cinco servidores técnicos. Também atuam treze discentes bolsistas e outros discentes colaboradores, estudantes dos cursos de graduação em Engenharia Civil, Engenharia Ambiental e Sanitária e Engenharia Química, bem como pós-doutorandos, mestrandos e doutorandos dos programas de Pós-graduação em Engenharia Civil – PPGEC, Pós-graduação em Engenharia Química – PPGEQ e Pós-graduação em Recursos Hídricos e Saneamento – PPGRHS.

Publicidade