Alagoas leva dois projetos ecológicos à maior feira de iniciação científica do país

Duas escolas da rede estadual de Alagoas participam da maior feira de iniciação científica do país. Até a última sexta-feira (22), as escolas estaduais Theotônio Vilela Brandão e Benedita de Castro Lima, ambas de Maceió, apresentam seus projetos na Feira Brasileira de Ciências e Engenharia da Universidade de São Paulo (Febrace-USP).

Ao todo, Alagoas teve cinco projetos selecionados. Completam a delegação alagoana na feira, as equipes do Instituto Federal de Alagoas (Ifal) – Campus Arapiraca e do Sesi. Todas viajaram a São Paulo com o apoio do Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal).
“São projetos com caráter de pesquisa e visão sustentável, pois lidam com resíduos, mais precisamente o bagaço da cana e a casca do sururu. Além disso, foram impulsionados por duas frentes de incentivo à iniciação científica em nosso estado, o Pibic Jr e o programa Professor Mentor. Escolas, professores e estudantes estão de parabéns e, com certeza, representam muito bem Alagoas e a rede estadual de ensino”, declarou o superintendente de Desenvolvimento do Ensino Médio da Secretaria de Estado da Educação, Ricardo Lisboa.

Os projetos

A Escola Estadual Theotônio Vilela Brandão levou o projeto Ecofloor, sobre a produção de pias e pisos cerâmicos a partir da casca do sururu, enquanto a Benedita de Castro Lima apresenta pesquisa sobre produção de papel à base do bagaço de cana-de-açúcar.

Ambos foram premiados em feiras e mostras em Alagoas, em 2023, a exemplo do Encontro Estudantil da Rede Estadual de Ensino; da Semana Interinstitucional de Pesquisa, Tecnologia e Inovação na Educação Básica (Sinpete) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal); Mostra Científica de Inovação, Tecnologia e Engenharia, na Escola Estadual Professora Izaura Antônia de Lisboa (Mocitepial), de Arapiraca; e o Trakto Show.

Orgulho alagoano

Professores e estudantes falam da responsabilidade e do orgulho de representar a rede estadual no evento. “Nossos alunos são muito talentosos, estudaram bastante e estamos aqui para mostrar ao Brasil que, em Alagoas, os estudantes desenvolvem projetos voltados ao empreendedorismo e sustentabilidade”, afirmou Tatiane Omena, professora orientadora do Ecofloor.
“Estamos em um evento que reúne projetos capazes de mudar a realidade do Brasil. É para nós uma experiência surreal e inédita. Muitas pessoas chegam ao nosso estande perguntando sobre como conseguimos transformar o bagaço de cana em papel”, comemorou o professor Felipe Rodrigues, da Benedita de Castro Lima.

Os alunos também destacam o impacto desta experiência em suas vidas. “Estar aqui é um sonho. Estamos mostrando a qualidade da ciência da escola pública alagoana”, destacou Feliphe David Oliveira, aluno da Theotônio Brandão Vilela.

“Está sendo muito gratificante participar da nossa primeira feira nacional. É incrível ver outros projetos que incentivam a nossa imaginação”, contou Jamyle Gomes da Benedita de Castro Lima.

Publicidade